27x4

artefactos e narrativas do museu geológico

Um desenho virtual partilhado
Aplicação para dispositivos móveis
Maria Margarida Lourenço
  • interface
  • navegação
  • experiência
  • narrativa
  • museografia

O Museu Geológico de Lisboa dispõe de características ímpares quando comparado com outras instituições museológicas. A sua arquitectura interior, a disposição das suas colecções, bem como o seu mobiliário expositivo, característicos da museologia do séc. XIX, fazem com que esta instituição seja considerada pelos especialistas como um “Museu dos Museus”.

Reconhecendo o seu carácter ímpar e no sentido de explorar o acervo desta instituição, 27x4 é uma aplicação para dispositivos móveis, que toma como matéria prima vinte e sete artefactos da exposição permanente do museu, apresentados através de quatro narrativas paralelas.

O projecto procura revelar as particularidades dos conteúdos do museu, proporcionando uma experiência dinâmica ao utilizador através de diferentes opções de exploração dos artefactos. Segundo uma interface gráfica composta por tabelas interactivas, esta aplicação procura complementar a experiência do museu, dentro e fora das suas instalações.

O Museu Geológico de Lisboa (MGL) apresenta uma exposição focada na geologia. Contudo, apesar de apresentar uma colecção de referência para a comunidade científica, esta não é a sua única oferta a nível museológico. O MGL é igualmente um exemplar da museologia do século XIX, como o demonstram a sua arquitectura e equipamento expositivo.

Tomando estes factores como essenciais para a identidade do museu, 27x4 é uma aplicação para dispositivos móveis que propõe a exploração de conteúdos que integram o espólio da instituição através da utilização das possibilidades da tecnologia digital, sem interferir com o espaço físico da exposição mas complementando a sua narrativa e experiência.

A selecção dos artefactos baseou-se numa proposta do MGL — “27 Maravilhas do Museu Geológico” — onde se apresentam os exemplares mais notáveis de toda a colecção a nível científico e/ou estético. As tabelas interactivas, que comportam os vinte e sete artefactos e dão forma às narrativas que permitem a exploração dos conteúdos segundo uma estrutura não linear, foram desenvolvidas a partir de quatro princípios:

  • classificação dos artefactos em relação à sua natureza geológica ou tecnológica (fósseis, minerais/pedras, ossos ou artefactos criados pelo Homem);
  • local onde os exemplares foram descobertos;
  • disposição dos artefactos nas salas do museu;
  • dimensões (2D ou 3D) de cada artefacto.

Embora a matéria explorada seja parte integrante do espólio do MGL, a navegação pelos seus conteúdos é autónoma em relação à visita pelas instalações do Museu, podendo igualmente proporcionar um complemento à mesma. Em conclusão, 27x4 procura dinamizar a exploração do espólio do Museu Geológico de Lisboa, seguindo a premissa de Alessandro Ludovico ao considerar que “nesta era pós-digital, a tecnologia digital não é um fenómeno revolucionário, já faz parte do quotidiano”.